Em maio de 2011, contemplada pela 18ª Edição do Programa de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo, a Trupe Artemanha de investigação teatral, grupo atuante na região do Campo Limpo – São Paulo – SP, naquele momento com 15 anos de atividades pôde dar início àquele que foi com certeza o principal projeto de sua história: A Escola Popular de Teatro CITA. À partir de conversas com a Subprefeitura local, foi solicitada a utilização de um barracão de madeira que estava sem uso já há mais de um ano, localizado na Rua Aroldo de Azevedo, 20 – Jardim Bom Refúgio, Zona Sul de São Paulo, bem em frente à Praça João Tadeu Priolli, mais conhecida pela população do local como Praça do Campo Limpo. A subprefeitura concordou em ceder o espaço, desde que o grupo se responsabilizasse pelas melhorias de estrutura no local.

O grupo de atores arregaçou as mangas e iniciou um trabalho de melhorias e reformas no local, um imenso barracão de madeira, em meio a grandes árvores e um jardim gigante, com um bosque ao fundo. Ali, aconteceriam as atividades da primeira turma da Escola Popular de Teatro CITA (Centro de Investigação Teatral Artemanha), oferecendo a 17 aprendizes que já tivessem alguma experiência em teatro ou qualquer outra área artística, vindos de diversas regiões da cidade, a oportunidade de experimentar com orientadores como: Antônio Rogério Toscano, Tiche Vianna, Ésio Magalhães, Cuca Bolaffi, Fábio Pinheiro, Pax Bittar entre outros professores na área musical e circense. Tais processos baseados na autonomia criativa do ator em cena, tendo como principal referência a Escola Livre de Teatro de Santo André e a Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo Ói Nóis Aqui Traveiz.

A Escola Popular de Teatro CITA teve 15 meses de duração, acontecendo de Terças a sextas-feiras, com 4 horas de aulas diárias, divididas em: danças dramáticas brasileiras, acordeon, percussão, instrumentos de cordas, instrumentos de sopro / metais, teoria e estética teatral, interpretação: bufão, máscara neutra e máscara expressiva, treinamento de voz / canto, treinamento circense, núcleo de interpretação e encenação clown, núcleo hip hop: poeta mc, dança de rua, DJ / beat box. Todos estes treinamentos resultaram na montagem de exercícios cênicos propostos pelos próprios aprendizes.

Em seus dois primeiros anos de funcionamento, o agora intitulado Espaço Cultural CITA, teve como foco principal as atividades da Escola Popular de Teatro CITA. Porém, aconteceram também apresentações de espetáculos da Trupe Artemanha e de grupos parceiros que compunham a programação do espaço, além de ter sido sede de quatro edições do Festcal – Festival Nacional de Teatro de Campo Limpo – ocupando o próprio espaço e principalmente a Praça do Campo Limpo com diversos espetáculos de rua.

Com a finalização da primeira turma da Escola CITA, o espaço passou a abrigar também outros coletivos, tais como: O Maracatu Ouro do Congo (2011), os Tropeiros da Arte, agora Tropeiros Batuques e Tradições (2013), o Núcleo de Literatura Quintal das Histórias – idealizado por João Luiz do Couto, um dos aprendizes da Escola CITA, o Grupo de Choro Sapato Branco (2011), o Ateliepopularte (2013), o já antigo parceiro Escola de Notícias (2013), o Sarau do Binho (2013), a Cia Basalto de Artes (2014), o Grupo Caixote do Teatro, o Bando Trapos e a Trupe Imbola’Rua, os dois últimos são núcleos teatrais que nasceram à partir de projetos da Trupe Artemanha.

Já com 04 anos de funcionamento e como resultado do trabalho de todos estes grupos, o CITA é reconhecido como Ponto de Cultura – parceria entre a Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo e o Ministério da Cultura. Também foi premiado pelo ProAC Território das Artes – Manutenção de Espaços – 2014.